O Veneno Solitário #28 — © Frederico Mir George

O Veneno Solitário #28

Várzea de Colares,
Dia 13 de Janeiro de 15
Semana 3 — dia 352
Largo António Nunes Rodrigues Caruna
Molhe da Ribeira
{Café «C.da V.», Terça-feira}

Vigésimo oitavo
{Campo Grande}

Imaginei muitas vezes aquele lago — e os botes de remo, alugados
à meia-hora por namorados simulando encantos de Rimbaud
na turba automóvel da capital — nunca lá tinha ido. Diziam-me dele
como se ao justo meio dum campo de cimento, existisse um Danúbio
dos pequeninos a vinte cinco mil réis de entrada.
Até que o vi, e aos botes, e aos amásios. E a água que ali estava.
Pensei que se Lisboa não é Viena, nem Budapeste, Belgrado, Ruse,
e que se em verdade aquilo no Campo Grande dum charco não passava,
bem ao contrário do Danúbio, que é cinzento, porco e lamoso,
daquela poça d’água, um azul clamoroso erguia-se em jactos de cobalto.

13h59m
Frederico ‘W George

Anúncios

Sobre Frederico Mira George — «Caixa Negra III»

Frederico Mira George: Escritor, Realizador/Autor/Locutor de Rádio, Artista Plástico
Esta entrada foi publicada em O Veneno Solitário com as etiquetas , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s