O Veneno Solitário #26 — © Frederico Mira George

O Veneno Solitário #26

Várzea de Colares,
Dia 1 de Janeiro de 15
Largo António Nunes Rodrigues Caruna
Molhe da Ribeira
{Café Restaurante da Várzea.», Quinta-feira}

Vigésimo sexto
{^nobody, not even the rain, has such small hands^
e. e. cummings}

Meia-noite final. No quartel de bombeiros estala a sirene
d’anúncio. Um só, tradicional grito de saúde ao céu.
Circunvagando luzes escuras, levantam-se poeiras a Ocidente
e numa mesma noite centos de lustres se invocam.

{Lustre: português antigo, período
de tempo, cinco anos}

Advertisements

Sobre Frederico Mira George/Literatura e Rádio

Frederico Mira George: Escritor, Realizador/Autor/Locutor de Rádio, Artista Plástico
Esta entrada foi publicada em O Veneno Solitário com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s