O Veneno Solitário #4 — © Frederico Mira George

O Veneno Solitário #4

Várzea de Colares,
Dia 5 de Outubro de 14
Largo António Nunes Rodrigues Caruna
Molhe da Ribeira
{Café «C.da V.», Domingo}

Quarto
{Em presença de Dom António Dinniz de Ayalla, de
Dona Júlia de Souza e Faro Nepomuceno e Dinniz de Ayalla,
e de uma filha d’ambos, Dona Valentina Carmina
de Souza Faro e Dinniz de Ayalla Mira da Silva}

Falava-me dos passeios de barco, ao Domingo, mal se acendia
luz no céu d’Outono. Os três à bolina pelo Ourém. Quatro anos
muito ruivos, flutuando solta nuns calções de banho em renda lilás.
Em Outubro de 1899 estão todos vivos e aos Domingos cruzam
Panjim numa balsa açafrão, vagando até ao forte dos Reis Magos.
Nenhum traço lhe ficou mais completo do que esta visão do pai — invioladamente
íntegro sob a farda de linho — subindo ao molhe, ágil como a prata da espada,
no desejo orgulhoso de absorver o retrato delas: Livres no timão das águas.

13h24m
Frederico ‘W George

Advertisements

Sobre Frederico Mira George/Literatura e Rádio

Frederico Mira George: Escritor, Realizador/Autor/Locutor de Rádio, Artista Plástico
Esta entrada foi publicada em O Veneno Solitário com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s