Aqui Começa o Atlas #9 © — Frederico Mira George

AQUI COMEÇA O ATLAS #9

Várzea de Colares,
Dia 15 de Setembro de 14
Molhe da Ribeira
{Café «C.da V.», Segunda-feira}

Nono

Creio que é possível saber o tempo como
um rubusto piano-forte em armário. Desprender
aparições em sete oitavas mais uma terça
menor. Coração, cérebro, infinito em volta,
tudo vago em oitenta e quatro
ou oitenta e oito teclas. E três pedais. Legato…
Una Corda… Sostenuto…

13h28m
Frederico ‘W George

Anúncios

Sobre Frederico Mira George — «Arte»

Frederico Mira George: Escritor, Artista Plástico, Podcaster
Esta entrada foi publicada em Aqui Começa o Atlas — Poemas com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s