Narrativa número 4 (Draft?)

Narrativa número 4 (Draft?)
Praia das Maçãs
Dia 9 de Setembro de 2013
Segunda-feira, 10h11m
{Chitas}

Acordei com uma coisa presa na garganta. Acontece-me de tempos a tempos, mas por norma consigo tirar a coisa ainda durante o sono. Ponho os dedos na boca como se quisesse provocar o vómito, empurro fundo, as contracções do vómito ajudam os dedos a escorregar mais abaixo e agarro a coisa, puxando-a para língua, cuspo-a. São uns novelos duros, cinzento escuro. Como poderei explicar… São umas esferas de pêlo cinzento, do tamanho de bolas de naftalina, mas não são pêlos. Na verdade não sei do que aquilo é feito. Ou é uma mistela formada por restos de tabaco nos pulmões e salivas que secam com a respiração, formando aquelas coisas na traqueia. Ou, pior, são mesmo fios orgânicos que tentam sair pela boca (e por isso se fazem em berlindes para melhor cuspir), mas que de tanto tamanho não cabem na goela.

Hoje não. Hoje não consegui tirar aquilo. A coisa não é esférica como de costume. Pelo que consigo sentir apalpando o pescoço, parece ser de forma cónica com lados, faces. Como se chama o objecto geométrico…? Pirâmide. Pois não é cónico, é piramidal. Não é possível contar a totalidade das faces. Do lado de fora, sinto quatro. Duas do lado direito, duas do lado esquerdo. Talvez tenha oito faces no completo…

Nada disto importa. Já compreendi que desta não me safo. Não tenho maneira de sair daqui, estou sozinho em casa e mesmo que conseguisse caminhar até à estrada respirando ao bochechos, ia para onde, a pé?

De maneira que me sentei à secretária, tenho uma chávena chá à frente. O chá ajuda-me a manter a boca húmida. Vou escrever um testamento. Estou calmo e lúcido e na plenitude das minhas capacidades intelectuais. Os meus herdeiros só vão saber que são meus herdeiros quando lerem este testamento. Assim, quem me encontrar e der com o texto testamental, faça o favor de ir à minha agenda de telefones e procurar aqueles a quem deixo as minhas únicas, cinco, propriedades. Obrigado!

Edmundo A. Lúcio

Advertisements

Sobre Frederico Mira George/Literatura e Rádio

Frederico Mira George: Escritor, Realizador/Autor/Locutor de Rádio, Artista Plástico
Esta entrada foi publicada em Narrativas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s