Poema número 28

Poema número 28

Praia das Maçãs
Dia 23 de Agosto de 2013
Sexta-feira, 09h36m
{Café “Chitas”, 43 anos}

Abro a pele à invasão do tempo, fina
Ferida longitudinal. E fico quieto. Audível.
Repousado e estreito, mortal e ressurrecto.
No mar falecem os barcos, naufragam tectos.
Acordado e acoberto de uma mortalha d’aço
Morro e desperto no dia do centenário
Da pequena sereia de Copenhaga.

Advertisements

Sobre Frederico Mira George/Literatura e Rádio

Frederico Mira George: Escritor, Realizador/Autor/Locutor de Rádio, Artista Plástico
Esta entrada foi publicada em «Um Fósforo na Mão» - Narrativas & Outros Poemas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s