Poema número 2

Poema número 2
Portela de Sintra
Dia 25 de Julho de 2013
Disseram que se não sonharmos enlouquecemos.
Não imagino a que loucura se referem. Quem o afirma,
Diz-se sábio da mente. E eu, que não sou sábio
Mas que sonho, como os homens sonham, já dantes
De serem homens, gosto de não sonhar.
Precisamente,é quando não sonho que não estou louco.
A loucura que cito, é nos dias não ver,
Não fazer, que não seja tarefa trabalhosa; Não
Estar só quando podia estar; nem estar junto
Quando acontece estar. Loucura de estar sempre a tempo
E não respirar tacteando o ar a entrar.
Os sonhos são feitos da mesma massa de ocupação
que crava na escuridão O que no cérebro é inteligente.
Aquilo de que os sonhos são feitos, é tão só-mente,
Lixo que a tarefa despejou para o sono.
É simples. Se não sonhar fico acordado à hora de
Acordar.

 

Advertisements

Sobre Frederico Mira George/Literatura e Rádio

Frederico Mira George: Escritor, Realizador/Autor/Locutor de Rádio, Artista Plástico
Esta entrada foi publicada em «Um Fósforo na Mão» - Narrativas & Outros Poemas com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s